News Stories

  • Pastel de feira e caldo de cana

    Toda quinta-feira vai ser pastel na feira. Não tem coisa melhor.

    Toda quinta-feira vai ser pastel na feira em Perdizes. Não tem coisa melhor.

    Não existe coisa mais brasileira que comer pastel na feira. Hoje a gente reservou o dia especialmente para isso. Pegamos a feira que acontece em uma rua aqui pertinho de onde estamos, em Perdizes. 2,50 reais o pastel, o problema é escolher.

    Eu comi o tradicional de carne mesmo e o Franky atacou de pastel mineiro com queijo, ervilha, milho, frango e palmito. Muito bom, da próxima vez eu quero experimentar o de carne seca (jabá) com queijo que a mulher que vendia falou que era o preferido dela.

    Para acompanhar nada melhor que um caldo de cana com limão (da próxima vez será com abacaxi). Gelado, feito na hora, e combina com o pastel.

    Os pastéis de carne, queijo, pizza e palmito são oms ra

    Os pastéis de carne, queijo, pizza e palmito são os mais tradicionais.

    O Franky foi de pastel mineiro. Bão também, uai.

    O Franky foi de pastel mineiro. Bão também, uai.

    E tem outros salgados também para complicar a vida.

    E tem outros salgados bons também para complicar a vida.

    O Franky experimentou o caldo-de-cana pela primeira vez e gostou.

    O Franky experimentou o caldo-de-cana pela primeira vez e gostou.

    O coco verde também fica na lista das próximas vezes na feira.

    O coco verde também fica na lista das próximas vezes na feira.

    O melhor destas feiras é ficar olhando as bugigangas que eles vendem. Tem coisas para casa, cozinha, vários acessórios baratos e empoeirados. Não são muito de boa qualidade, mas coisa de feira também é mais para quebrar um galho, tão baratinho.

    Nestas ladeiras aqui de Perdizes a gente acaba fazendo exercício até demais. É muita subida e descida, daquelas que as pernas ficam até doloridas. E é por isso que eu estou comendo pão-de-queijo de todos os bares e botecos para experimentar. É a desculpa para compensar as calorias.

    Já estamos virando quase moradores de Perdizes, aqui em São Paulo. Já visitamos várias lojas aqui perto, principalmente os supermercados da rede Pão de Açúcar. Já fizemos até o cartão Cliente Mais e cadastramos na internet para delivery gratuito (nas 2 primeiras vezes) no caso de a gente ficar com preguiça das ladeiras.

    Após 1 semana de volta ao Brasil, já estamos bem povão. Brigando pelas abobrinhas na feira e conferindo as promoções de supermercado. Com direito a pastel e caldo-de-cana.

  • Sesc Pompéia, em São Paulo

    Escultura em um dos salões do Sesc Pompéia, em São Paulo.

    Escultura em um dos salões do Sesc Pompéia, em São Paulo.

    Brasil para mim é sinônimo de Sesc. Eu nunca consegui viver aqui sem frequentar a programação do Sesc, principalmente da cidade de São José do Rio Preto, onde eu morei por muito tempo.

    Lá para o lado do sul o Sesc não é o mesmo. Tem, mas é bem menor, com menos coisas para fazer. Não tem a vasta programação como é no estado de São Paulo. Lá funciona mais cursos e outras coisinhas pequenas. Quando eu morei em Porto Alegre fez muita falta.

    Chegando aqui na capital paulista, a primeira coisa que a gente fez foi providenciar as carteirinhas do Sesc. Como a gente não é comerciário (e nem morávamos no Brasil), tiramos as de usuários comuns. Custou 54 reais cada com direito a usar em todas as unidades do Sesc no estado de São Paulo, válido durante 1 ano.

    O Sesc Pompéia é todo com visual alternativo, em galpões rústicos.

    O Sesc Pompéia é todo com visual alternativo, em galpões rústicos.

    Esta é uma outra escultura que vimos por lá, na verdade uma espécie de instalação.

    Outra escultura que vimos por lá, na verdade uma espécie de instalação.

    Mural de recados para deixar os segredos, sonhos ou fofocas.

    Mural de recados para deixar os segredos, sonhos e fofocas.

    Do lugar onde estamos aqui em São Paulo, não é longe, dá para ir à pé no Sesc Pompéia. O duro são as ladeiras que a gente tem que “escalar”. Dá uma canseira só de pensar. Mas mesmo assim pretendemos pegar algumas peças teatrais e shows por lá.

    Eu não conhecia o Sesc Pompéia, só conhecia de nome, acho que é uma das unidades mais famosas da capital. O prédio é todo em galpões que a princípio tem um visual feio, mas entrando e passeando dentro das instalações, começa a ficar alternativo. Eu adorei, me lembrou os galpões antigos da Swift, em São José do Rio Preto.

    Eu adorei esta exposição de bandejas pintadas de preto com desenhos.

    Eu adorei esta exposição de bandejas pintadas de preto com desenhos.

    Eram várias, uma mais maluca que a outra.

    Eram várias, uma mais maluca que a outra.

    Chegamos até a experimentar a comida servida no Sesc, comida por quilo. Acho que era uns 20 reais por quilo, não tenho certeza. Estava muito boa, mas não é muito barato. Quem tem a carteirinha de comerciário do Sesc paga menos.

    Estava tendo algumas exposições etinerantes, mostras e outros eventos típicos do Sesc. Visitamos a piscina aquecida com exercícios para a terceira idade, a sala de internet, o prédio dos esportes e outros. Me sinto mais em casa com um Sesc por perto.

  • O Brasil na Copa

    Não existe brasileiro que não assista a Copa do Mundo.

    Não existe brasileiro que não assista a Copa do Mundo. Gostando de futebol ou não.

    Até parece que a gente veio para o Brasil para assistir os jogos da Copa do Mundo. Chegamos bem na hora certa, pegando desde o começo.

    Bom, já que estamos aqui, pretendemos acompanhar todos os jogos do Brasil. Nem eu nem o Franky somos fanáticos por futebol (nem um pouco), mas Copa do Mundo tem que assistir. O que a gente quer é ver o Brasil contra a Alemanha nas finais. Isso sim daria uma briga boa.

    Hoje fomos resolver umas coisas no shopping West Plaza aqui perto e as ruas estavam todas cheias de gente com aquelas buzinas barulhentas (cornetas), as pessoas já preparadas para o jogo desde manhã, vestindo as camisetas do Brasil e segurando as bandeiras.

    As lojas do shopping fecham (a maioria) meia hora antes do jogo começar e só abrem após o jogo. No West Plaza os funcionários das lojas estavam todos usando a camisa brasileira por debaixo dos uniformes. Na praça de alimentação foram improvisadas 6 televisões grandes para o jogo.

    Boneco que a gente viu na vitrine da loja Imaginarium do shopping.

    Boneco que a gente viu na vitrine da loja Imaginarium do shopping.

    Pão-de-queijo que a gente comeu em Perdizes por R$1.50.

    Pão-de-queijo que a gente comeu em Perdizes por R$1.50.

    O Franky vai ter que torcer para o Brasil estando aqui. Que Alemanha o que..

    O Franky vai ter que torcer para o Brasil estando aqui. Que Alemanha o que..

    Assim que foi chegando perto da hora do jogo do Brasil contra a Coréia do Norte o trânsito ficou insuportável. Os ônibus cheios, gente buzinando, um verdadeiro terror. Nunca vi gente gostar mais de futebol como brasileiro. Nos Estados Unidos ninguém nem liga muito, lá é mais o Super Bowl que todo mundo assiste.

    O Franky disse que na Alemanha é a mesma coisa, só muda a bandeira, claro. Todo mundo fica nas ruas fazendo o mesmo barulho. Como vimos na TV hoje, é o Brasil, Alemanha, Itália e Argentina os favoritos do futebol. Aliás, aquelas propagandas da Skol, dos argentinos são o máximo, até vi as antigas pelo YouTube.

    Bem, o jogo foi bem fraquinho, 2 a 1 para o Brasil, todo mundo esperava mais. Deu até sono. Domingo tem mais jogo do Brasil.

    Segue uma das propagandas da Skol, pelo YouTube:

  • Internet 3G da Oi

    Não achei nada simples contratar os seviços da Oi. Tomara que funcione, pelo menos.

    Não achei nada simples contratar os seviços da Oi. Tomara que funcione, pelo menos.

    Escolhemos a Oi para ser a nossa “salva-vidas”. Foram vários dias pesquisamos todas as lojas e ofertas das 4 operadoras que oferecem a internet 3G.

    Eu achei que era só chegar aqui no Brasil e seria fácil contratar o serviço sem nenhuma burocracia nem nada. Foi uma luta e tanto.

    Como sempre, fomos pelo mais barato. O Oi está com uma promoção do Velox que dava 2 meses de graça no 3G. A gente nem tem telefone celular, mas compensava contratar o tal do plano para conseguir os descontos.

    Pagamos 134 reais pelo modem. É o modelo mais simples, da ZTE, mas com tudo o que a gente precisava. O plano, depois de 2 meses, a gente paga normalmente com a opção de cancelamento a qualquer momento. Me pareceu um bom negócio.

    Eu ainda fiquei de levar esta semana o meu comprovante de residência de São José do Rio Preto e a cópia do meu CPF que já estão sendo enviados para cá, por Sedex 10. É muita burocracia, de simples não tem nada.

    Ouvi dizer que a Vivo tem melhor cobertura em todo o Brasil, é a operadora mais antiga também. Minha irmã tem, ela usa no interior do Rio de Janeiro e não está nada satisfeita com o serviço, é muito lento fora das capitais.

    Até agora está funcionando bem, temos 7 dias para testar. Se não gostarmos o gerente da loja disse que eles devolvem o dinheiro. Foi assim que decidimos contratar o serviço, já que na internet vimos muita gente reclamando de todas as operadoras.

    O gerente da loja Oi (do shopping West Plaza) também disse que a Oi é a única operadora brasileira. As outras são todas de fora. Resolvemos entrar no “clima de Copa” e valorizar o Brasil também, tomara que a gente não se arrependa.

    Como a internet faz falta. Ficamos completamente deslocados aqui em São Paulo sem conexão. Hoje não existe ficar offline, simplesmente não dá. Agora sim vamos começar a nossa vida “de verdade”, a vidinha online.

  • A Praça da Liberdade, em São Paulo

    A Praça da Liberdade é um show de cultura oriental. Para quem gosta é um prato cheio.

    A Praça da Liberdade é um show de cultura oriental. Para quem gosta é diversão na certa.

    Todas as vezes que a gente visita São Paulo acabamos sempre na Praça da Liberdade. Família reunida é sinônimo de comilança de comida oriental.

    Fomos então almoçar no tradicional restaurante chinês chamado Chi Fu, no meio da Praça da Liberdade, um dos melhores restaurantes de comidas típicas chinesas com frutos do mar.

    Um dos melhores pratos deste restaurante é o macarrão com frutos do mar, incluindo camarões, pernas de polvos e vários outros legumes. Muito bom, principalmente o tempero.

    Experimentamos também o prato com camarões grandes fritos com pimenta e o risoto de arroz com legumes. Tudo muito saboroso. O restaurante não é muito barato, mas os pratos são bem grandes, dá para dividir as porções. Chá verde e melancia de sobremesa gratuitos.

    Fachada do restaurante Chi Fu, no meio do bairro da Liberdade.

    Fachada do restaurante Chi Fu, no meio do bairro da Liberdade.

    O restaurante Chi Fu serve pratos com frutos do mar e legumes.

    O restaurante Chi Fu serve pratos com frutos do mar e legumes.

    Camarões fritos no óleo com pimenta vermelha e cebolinha verde.

    Camarões fritos no óleo com pimenta vermelha e cebolinha verde.

    O restaurante Chi Fu é sempre cheio, às vezes lotados, sem lugares para sentar.

    O restaurante Chi Fu é sempre cheio, às vezes lotados, sem lugares para sentar.

    Fora isso é sempre interessante ver as feiras nas ruas, lojas com produtos orientais e outras curiosidades. A Praça da Liberdade é um dos pontos turísticos de São Paulo. A maioria nem é oriental, dá gente do mundo inteiro.

    O melhor da Praça da Liberdade é fazer compras de verduras e legumes, você encontra coisas diferentes, principalmente os cogumelos japoneses que são muito procurados. Tem também muitas panelas grandes, no estilo chinês e aquelas elétricas japonesas para fazer arroz (até a minha mãe comprou uma em promoção).

    Nestas lojas você encontra até quimono japonês para comprar.

    Nestas lojas você encontra até quimono japonês para comprar.

    Vimos estes cachorros de rua abrigados (do frio) nas caixas de papelão.

    Vimos estes cachorros de rua abrigados (do frio) nas caixas de papelão.

    O passeio na Praça da Liberdade é um passeio mais do que cultural.

    O passeio na Praça da Liberdade é um passeio mais do que cultural.

    O difícil é estacionar, dirigir até lá, todas estas “coisas paulistanas”. Sem contar na chuvinha típica da “Cidade da Garoa“. Se morássemos em São Paulo, nunca compraríamos um carro. Não compensa. Como meu pai estava dirigindo (e não é sempre), ainda deu para encarar.

    Na Praça da Liberdade você encontra também muitos filmes japoneses piratas, especialidades orientais e outras coisas interessantes. É um lugar para andar e prestar atenção ao redor. Diversão na certa, principalmente para quem não é de São Paulo.

    As feiras de rua com barraquinhas de comidas vendem camarões no espeto e tempura de legumes, comidas para comprar e sair andando comendo, a maioria em porções pequenas e não muito caras.

  • O Bairro de Perdizes, em São Paulo

    As feiras de ruas aqui em São Paulo você encontra de tudo, menos o que procura.

    Nas feiras de ruas aqui em São Paulo você encontra de tudo, menos o que procura.

    Estamos ainda tentando nos familiarizar com a região de Perdizes, em São Paulo. Já “passeamos” pelo shopping West Plaza e Bourbon para a cotação de preços dos serviços de internet 3G da Claro, Vivo, Tim e Oi.

    O negócio é que ainda não conseguimos contratar nenhum dos serviços ainda. Sem comprovante de endereço não tem jeito. O interessante também é que cada loja tem um preço diferente nestes shoppings (do mesmo produto e serviço). O modem e os planos variam muito os preços, ficamos confusos.

    Perdizes tem literalmente “altos e baixos”. As calçadas são todas desiguais, morros, ladeiras e ruas complicadas. O pior é a quantidade de cocôs de cachorro pelas calçadas. A cada 2 passos, 1 cocô. Muitos deles são pisoteados por desatentos.

    Já visitamos 2 feiras de ruas, coisa que nos Estados Unidos não tem. Uma grande variedade de frutas e verduras com preços bons e outros “cacarecos”. O que não gostamos é do jeito que eles cortam os frangos nos balcões sujos das barracas. Sem luvas e sem higiene eles cortam os pedaços que são expostos à venda para os consumidores.

    Consertos de Fogão a Domicílio. Só no Brasil.

    Consertos de Fogão a Domicílio. Só no Brasil que tem estas coisas.

    Queijos caseiros à venda na feira de rua de Perdizes.

    Queijos caseiros à venda na feira de rua de Perdizes.

    O melhor das feiras são as frutas. No final do dia entra tudo em promoção.

    O melhor das feiras são as frutas. No final do dia entra tudo em promoção.

    Encontramos 2 feiras de rua perto da casa onde estamos em Perdizes.

    Encontramos 2 feiras de rua perto da casa onde estamos em Perdizes.

    Nos Estados Unidos a higiene com os frangos é muito rigorosa por causa da salmonela. Eu não sei ao certo se este problema tem aqui também, mas dá uma má impressão ao vermos as carnes sendo vendidas desta forma. O mesmo com a carne bovina. Eu não compraria carne em feira de rua.

    Perdizes é um bairro bem localizado. Perto da estação de metrô Barra Funda, próximo à Avenida Paulista, Sesc Pompéia e shoppings. Tem de tudo por aqui. Os bairros paulistas são na maioria assim, umas mini-cidades com todo tipo de comércio.

    O que é engraçado aqui também é ver o comércio de DVDs piratas nas ruas de São Paulo. Filmes novos, programas de computador e CDs musicais. Todos super atualizados, os últimos lançamentos.

    O Franky fica horrorizado com o trânsito daqui, principalmente com as manobras dos moto-táxis. Ele ainda não viu nada.

  • Viagem para o Brasil

    Os novos aviões da companhia Avianca são muito bons, parecidos com os da Tam.

    Os novos aviões da companhia Avianca são muito bons, parecidos com os da Tam.

    Saindo de Los Angeles, a gente pegou o voo da companhia aérea colombiana Avianca. Gostamos do serviço deles, é bem parecido com o da Tam, principalmente os novos aviões com as TVs individuais. As poltronas novas eu particularmente não gostei, a parte do encosto da cabeça é muito desconfortável.

    Mas os encostos da cabeça são horríveis. Eu não dormi a viagem toda!

    Mas os encostos da cabeça são horríveis. Eu não dormi a viagem toda!

    Chegamos bem cedo, de manhã, em São Paulo, no aeroporto de Guarulhos. Devido à nossa pão-durice (o táxi ia ficar em 120 reais) e abertura ao desafio, decidimos enfrentar o transporte público para chegarmos em Perdizes (bairro), na casa do meu tio Tadao.

    A melhor forma que encontramos para esta tragetória foi pegar o ônibus de Guarulhos para a estação de metrô Tatuapé. Após sermos quase esmagados por causa da “hora do rush” no metrô super-lotado de manhã, descemos (ou fomos “expelidos”) na estação da Barra Funda. Pegamos mais um ônibus até Perdizes e enfim chegamos.

    Como a vida na capital paulista é difícil. Fico imaginando as pessoas que levam esta vida de ônibus e metrô todos os dias nesta loucura. O pior é que em São Paulo tudo é longe, não dá para escapar desta rotina. Até quem tem carro ainda tem o negócio do rodízio das placas, fazendo com que as pessoas tenham 2 carros ou enfrentem esta tortura.

    Eu não sou da capital, sou do interior de São Paulo, de uma cidade chamada São José do Rio Preto, onde os meus pais moram. São Paulo é a cidade onde o restante da família mora e onde eu sempre vou para passar 1 ou no máximo 2 dias.

    Começaram-se os primeiros “problemas técnicos”: conexão de internet. Tentamos pegar algum serviço 3G, mas precisamos de um comprovante de endereço no Brasil, coisa que não temos. Pesquisamos os serviços da Claro, Vivo, Oi e Tim, as 4 operadoras que oferecem a 3G. Estamos tentando solucionar o problema.

    Por enquanto a gente vai usando o sinal wi-fi roubado do vizinho. Para isso a gente tem que ficar dependurado na janela, pacientes com a conexão lenta.

    Chegar no Brasil foi um encontro com os problemas que não estávamos acostumados. E também uma alegria de estar de volta na terrinha. São Paulo está cinzenta (como sempre) e com o clima frio. De agora em diante nossos dias vão ser uma surpresa para nós mesmo. Não temos nem idéia sobre os próximos passos.

  • A Experiência Oahu

    O melhor de tudo em Oahu foi, definitivamente, mergulhar em Hanauma Bay.

    O melhor de tudo em Oahu foi, definitivamente, mergulhar em Hanauma Bay.

    Aproveitando o último dia aqui em Honolulu, a capital do Havaí (na ilha Oahu), a gente acaba fazendo uma análise destes meses todos aqui no paraíso.

    Completamos 4 meses e 1 semana desde que chegamos aqui em Honolulu. Foi uma experiência muito valiosa, matamos a curiosidade de conhecer um dos melhores lugares do mundo.

    Conversando com outros brasileiros que já estiveram aqui também, chegamos a conclusão de que o Havaí é muito diferente do que imaginávamos, antes de virmos. A maioria vem mesmo para Honolulu, Waikiki, a área mais turística e cheia de atrações.

    Com uma viagem rápida, de apenas uma semana por exemplo, não é possível conhecer o Havaí em um todo. É apenas uma pincelada do que as ilhas têm de mais turístico. Vale a pena, mas não seria o suficiente para nós. Queríamos ver de perto um pouco mais além do mostrado nos catálogos de férias.

    Confesso que, no meu caso, achei que Honolulu não fosse tão civilizado assim. Eu sabia de todas as lojas, shopping centers e a infinidade de hotéis e restaurantes, mas mesmo assim, tem muito mais prédios do que eu imaginava. O que não é ruim, apenas diferente do que eu tinha em mente.

    A praia de Waikiki foi onde mais ficamos. É linda, principalmente à noite.

    A praia de Waikiki foi onde mais ficamos. É linda, principalmente à noite.

    North Shore tem as melhores praias. Lanikai Beach é a melhor.

    North Shore tem as melhores praias. Lanikai Beach é a melhor.

    Depois de tantas praias assim, não sabemos o que esperar de Maui e Big Island.

    Depois de tantas praias assim, não sabemos o que esperar de Maui e Big Island.

    Não imaginava encontrar um cenário tão urbano em Honolulu.

    Não imaginava encontrar um cenário tão urbano em Honolulu.

    O povo havaiano é o que o Havaí também tem de especial. Aloha e Mahalo!

    O povo havaiano é o que estas ilhas também tem de especial. Aloha e Mahalo!

    De todos os estados americanos, o Havaí deve ser o melhor para se morar em termos de qualidade de vida. O pessoal tem lazer aqui, contato com a natureza (e que natureza!) e uma vida mais saudável. Um dia, quem sabe, voltaremos (para morar) quando estivermos mais velhos.

    Por enquanto temos uma missão pessoal no Brasil. Eu gostaria de comparar a vida no Brasil após tanto tempo fora. Mudou muita coisa por lá, e eu mudei também. A gente muda de acordo com a nossa vivência. E os lugares, de acordo com o nosso ponto de vista.

    E, por falar em comparar, estaremos bem atentos às diferenças das outras ilhas havaianas onde passaremos os próximos dias: Big Island e Maui.

  • Viagem para Maui

    Maui, a ilha mais bonita do Havaí, entrou para os nossos planos.

    Maui, a ilha mais bonita do Havaí, entrou para os nossos planos.

    O engraçado foi que a gente reservou as passagens aéreas de Oahu para Big Island e de Los Angeles para São Paulo. Nem estávamos preocupados com os preços do Hawaii para a Califórnia. Aconteceu que tudo está um absurdo de caro, subiu tudo de repente.

    De tanto a gente clicar no site da Expedia, descobrimos que saía mais barato a gente ir de Big Island para Maui, alugar carro lá por 3 dias (porque não dá para fazer nada lá sem carro) e depois pegar um voo direto para Los Angeles.

    Para quem pegou o bonde andando é confuso assim mesmo. Estamos tentando ir do Havaí para o Brasil da melhor forma, aproveitando preços e oportunidades de passeios.

    Para que facilitar se a gente pode complicar, não é mesmo? Então fica assim: Oahu (onde estamos, no Havaí), Big Island (a outra ilha do Havaí), Maui (ilha havaiana também), Los Angeles e São Paulo. Isso nem é viagem mais, é uma maratona.

    Com este “trio havaiano”, Oahu, Big Island e Maui, a gente completa o nosso plano inicial de conhecer as 3 principais ilhas do Havaí.

    Ouvimos dizer que Maui é a ilha mais bonita do Havaí. Será verdade?

    Ouvimos dizer que Maui é a ilha mais bonita do Havaí. Será verdade?

    É a segunda maior ilha do Havaí com alguns voos direto para a Califórnia.

    É a segunda maior ilha do Havaí com alguns voos direto para a Califórnia.

    Deve ser muito mais tranquila que Oahu, menos turistas por todo lado.

    Deve ser muito mais tranquila que Oahu, menos turistas por todo lado.

    Oahu, Big Island e Maui. Missão mais do que completa no Havaí.

    Oahu, Big Island e Maui. Missão mais do que completa no Havaí.

    Em Maui pretendemos acampar dentro de um parque estadual, ainda estamos pesquisando. Entre as 3 ilhas é a mais precária em termos de turismo e a mais rica em termos de paisagens. Por isso o aluguel do carro, queremos conferir de perto esta maravilha.

    Maui é a segunda maior ilha do Havaí. A maior é a Big Island, como o próprio nome diz. Não sabíamos nada sobre estes nomes até virmos para cá. Agora a gente fala delas como se fossem familiares há muito tempo.

    Parece muito lindo este planejamento todo, mas é bem trabalhoso e cansativo, como toda viagem complicada. E, como todos sabem, viagem é planejamento, não tem como fugir. A recompensa vem depois, quando os planos dão certo.

  • Passagens Aéreas

    Segunda-feira que vem estaremos acampando na Big Island, aqui no Hawaii

    Segunda-feira que vem estaremos acampando na Big Island, aqui no Hawaii

    Agora o relógio desandou de vez. Não estamos tendo tempo para mais nada nessa nossa vidinha à toa. Como planejado, deixamos as melhores coisas para fazer aqui no Havaí para o final. E, somado à estas atividades, ainda temos o planejamento de toda a viagem que está por vir.

    Além da Big Island, já reservamos a nossa passagem para o Brasil. Vamos de Los Angeles, a capital da Califórnia, para a capital de São Paulo no dia 8 de junho (para chegarmos no dia seguinte de manhã).

    Desta vez, devido aos preços altíssimos das passagens da Califórnia para o Brasil, pegamos uma companhia colombiana, a Alianca. Reservamos pela Expedia, site que a gente confia.

    A gente preferia a Tam, já que temos vários pontos do cartão Fidelidade, mas estava bem mais cara a passagem aérea.Vamos fazer uma escala em Bogotá, capital da Colômbia. Eu sempre quis conhecer esta cidade, mas vamos ter tempo somente para a mudança do voo e olha lá. Um dia a gente vai para lá, do Brasil.

    Daqui de Honolulu, na ilha de Oahu, iremos para Hilo, no norte da Big Island

    Daqui de Honolulu, na ilha de Oahu, iremos para Hilo, no norte da Big Island

    De Big Island voaremos para Los Angeles, Califórnia.

    De Big Island, Havaí, voaremos para Los Angeles, Califórnia.

    Uma pequena escala em Bogotá, na Colômbia, lugar que deve ser maravilhoso.

    Uma pequena escala em Bogotá, na Colômbia, que deve ser interessante.

    Até chegar na nossa conhecida capital de São Paulo, no Brasil.

    Até chegar na nossa conhecida capital de São Paulo, no Brasil.

    Estamos cheios de planos e roteiros. Big Island está por vir, segunda-feira que vem estaremos por lá. Está sendo super difícil planejar esta viagem porque os websites são bem fracos, daqueles que, quando você encontra alguma coisa, faltam informações e são desatualizados.

    Para Big Island pegamos a companhia aérea Go! Mokulele, uma empresa não muito grande que faz voos entre as principais ilhas do Havaí.

    O plano é ficarmos um tempo no Brasil, viajando por lá por enquanto. Nossa jornada de 5 anos e meio nos Estados Unidos está chegando ao fim. Vamos encarar a capital paulista por um tempo e depois escolher uma cidade mais calma para morar, não sabemos aonde ainda.

    O Havaí foi certamente o melhor lugar em que estivemos. Se um dia voltarmos a morar nos Estados Unidos, será certamente em alguma das ilhas havaianas. A gente só não fica de vez porque é uma decisão muito difícil essa, de escolher um lugar para ficar “para sempre”. Teríamos que pensar em comprar carro, casa, estas coisas. Primeiro temos que passar uma temporada no Brasil para termos certeza.

Todas as Viagens

Comentários

  • João Pedro Benacchio: Pessoal não fui eu quem escreveu esse...
  • Gustavo Woltmann: Lindas imagens da cidade. Fui para Balneário...
  • denise: anonimo já diz covarde , ignorante e preconceituoso, vc...
  • Ken: Caracas…. quanto japa!! Fora vcs dois, o resto era tudo...