News Stories

  • De Kailua a São José do Rio Preto

    Última foto tirada no Havaí, em Honolulu, indo para o aeroporto internacional.

    A nossa última semana foi que nem final de novela. Tudo acontecendo ao mesmo tempo, muita expectativa e dando tudo certo no final.

    Bem, resumindo, porque não tive tempo nem de postar no blog tamanha a correria, entregamos o studio, recebemos de volta o nosso depósito do aluguel, zeramos a nossa conta no Bank of Hawaii, alugamos carro, fizemos comprinhas em Honolulu e começamos a jornada rumo à São José do Rio Preto.

    De Kailua fomos para Honolulu bater pernas até dar a hora de devolvermos o carro na locadora de veículos e pegarmos o primeiro voo. De Honolulu fomos parar em Los Angeles pela American Airlines, um avião ‘caindo aos pedaços’, bem velho. Mais de 5 horas de voo e eles não serviram nem uma bala. Já sabíamos disso, fomos preparado com ‘marmitas orientais’ do Shirokiya. Os voos domésticos dos Estados Unidos são os piores, como sempre.

    De Los Angeles, ‘voltamos’ para San Francisco pela American Airlines. Vai entender estas conexões. É tudo pelo melhor preço. De San Francisco pegamos o voo da companhia aérea LAN. Nunca tínhamos viajado pela LAN, achamos o serviço excelente apesar da confusão de lugares (reservamos os acentos juntos, mas vieram separados no bilhete, eles mudaram depois).

    A LAN, assim como outras companhias da América Latina como a Avianca e TAM, têm aviões novos, um ótimo serviço de bordo e refeições decentes. Tivemos uma parada em Lima, no Peru (de 1 hora) para abastecimento. E de Lima voamos até o aeroporto de Guarulhos.

    A viagem foi tão longa que perdemos a noção de dia e noite, fuso horário e tudo mais. Não sabemos nem ao certo quanto tempo durou a viagem toda, só sei que conseguimos chegar inteiros no Brasil. Todos os voos foram pontuais, nenhum imprevisto, a bagagem estava toda lá em Guarulhos, tudo certinho.

    De Guarulhos pegamos o ônibus do Airport Service para a Barra Funda (33 reais cada). E finalmente da Barra Funda pegamos o ônibus da San Raphael para São José do Rio Preto. Olha, passear no Havaí não é ir até a esquina não. É ‘a’ viagem. Ou ‘a’ milhagem.

    Estamos ainda totalmente fora dos eixos, dormindo de dia e acordando no meio da noite. Estamos tentando resolver os problemas básicos como internet, celular e carro para podermos ficar de vez na chácara em Guapiaçu. Nosso mundo ainda está de ponta cabeça.

Todas as Viagens

Comentários

  • Graças Luz: Agradeço pela gentileza!
  • Graças Luz: Belissimas imagens!!! Um lugar de não querer sair mais...
  • marlyn: estou tentando entrar em contato , via telefone com voces,...
  • Lucio Silvestre: Ganhei uma fruta dessa ja meio seca. Abri e tirei...