News Stories

  • Chegando em Buenos Aires

    Cotação do dia: 1 real = 2.50 pesos argentinos no Banco de La Nación Argentina.

    Após um longo percurso na capital paulista de Perdizes (bairro) até o Aeroporto Internacional de Guarulhos (Cumbica), passando pela Estação de metrô Marechal Deodoro e Tatuapé, embarcamos no avião da Pluna, destino a Buenos Aires, com uma parada (que achamos muito demorada) em Punta Del Este, no Uruguai.

    A Pluna é mesmo como a minha irmã falou: não servem nada de graça ao contrário da Tam, que nos levou à capital uruguaia (Montevideo) em dezembro do ano passado e que teve até jantar. A água servida pela companhia aérea Pluna custa 3 dólares à bordo!

    Chegando em Buenos Aires, mudança de planos: ao invés de pousarmos no Aeroparque Jorge Newbery, acabamos descendo no aeroporto internacional de Buenos Aires, o Aeropuerto Internacional de Ezeiza Ministro Pistarini por causa do tempo fechado. Ou seja, bem mais longe do centro de Buenos Aires, onde estava o nosso hotel.

    O lado bom foi que pudemos trocar logo de cara alguns reais por pesos argentinos em uma ótima cotação no Banco de La Nación Argentina, o melhor lugar para se trocar o dinheiro no aeroporto aqui em Buenos Aires (dica de alguns blogs de viagens). 1 real estava valendo 2,50 pesos argentinos. No outro aeroporto não teríamos esta opção. Teríamos que pagar bem mais caro em alguma outra casa de câmbio para termos alguns trocados na carteira.

    O melhor é andar com a moeda local apesar de aceitarem real e dólar em vários lugares.

    Como estávamos somente com bagagem de mão ficou fácil encarar o ônibus circular público de Buenos Aires. Pegamos o número 8, que levou 2 horas para chegar até no centro, próximo ao Milán Hotel. Ao invés de pagar 170 pesos argentinos de táxi, pagamos 2 pesos ou R$0,80 cada (tem que ser pago com moedas), e levamos o dobro do tempo para chegar. Um interessante city tour noturno forçado com direito à música ao vivo cantada por um bêbado no ônibus (modinhas argentinas). Valeu a pena. Pegamos um táxi do ponto que descemos até o hotel por 16 pesos. Era logo ali.

  • Artesanato e gift shops no Uruguai

    As lembranças do 'paisito' são, na maioria, com a bandeira do Uruguai, chimarrão e peões.

    E, para encerrar os posts sobre o Uruguai, algumas fotos de artesanatos (e outras coisas que os turistas gostam de comprar) que vimos nas feiras e lojinhas (gift shops) no país.

    Em Montevidéu as feiras de artesanato estão espalhadas por vários pontos da cidade, algumas só abrem aos domingos. Em Punta del Este existe uma feira permanente, muito visitada pelos turistas, a Feria Artesanal de Punta del Este. Abre todos os dias.

    Tapetes de couro, chimarrão em miniaturas, calendário de couro, artesanato com bambu e cabaças e várias outras lembranças do país vizinho.

    Gastamos todos os nossos pesos uruguaios. Voltamos para o Brasil com apenas uma moeda de 1 peso, referente a 10 centavos brasileiros, e uma grande satisfação de termos conhecido um país tão interessante.

  • Bebidas típicas uruguaias

    Clericot é a bebida que eu mais gostei. Uma espécie de sangria com vinho branco.

    Além do vinho uruguaio, a bebida com frutas (abacaxi, laranja e maçã) e vinho branco clericot e o medio y medio, que é a mistura de vinho branco com espumante, fazem sucessso entre os turistas.

    Encontramos nos supermercados uma grande variedade de cervejas alemãs por preços bem mais baixos do que são vendidas no Brasil. A Franciscana, cerveja alemã weissbier, por exemplo, estava por uns 5 reais nas prateleiras do Geant (supermercado grande uruguaio), um pouco mais cara que as locais uruguaias.

    Taça de medio y medio no Mercado do Puerto. A bebida é vendida pronta em garrafas.

    Preços muito bons nas cervejas alemãs, em grande variedade nos supermercados.

    O que achamos interessante foram os ‘vinhos longa-vida’ de 1 litro. Nos maiores supermercados de Montevidéu há uma variedade de uns 20 vinhos diferentes neste estilo. Eu já tinha visto vinho chileno ser vendido nos Estados Unidos em caixas de 3 ou 5 litros com uma torneirinha acoplada, mas nunca em embalagens de leite longa vida. E é bem baratinho.

    Vinhos de 1 litro em embalagens longa vida, iguais às de leite. Baratíssismos.

    Água com gás de 1,5 litro da marca Salus. Custa quase o mesmo preço da garrafinha.

    A água da Salus é considerada muito boa, principalmente a água com gás. E outros produtos da mesma marca, como o suco de maçã e outras frutas que tivemos o prazer de experimentar na capital uruguaia e Punta del Este.

    Cerveza Zillertal, a cerveja uruguaia que tomamos em Punta del Este. Muito boa.

  • Comidas típicas uruguaias

    Experimentar o recheado chivito faz parte do turismo uruguaio.

    Eu acho que a principal comida típica uruguaia, fora o churrasco, é o chivito. Eu já sabia do tal do chivito antes mesmo de chegar no Uruguai. Para dizer bem a verdade o chivito, para os brasileiros, não passa de um lanche grande com um bife dentro. Para os outros estrangeiros deve ser algo muito especial.

    Os chivitos estão espalhados pela cidade. São de vários tipos, desde os mais sem graça (e pequenos) nos shopping malls até os mais caprichados, como é o que comemos, em casas especializadas. O melhor são os diversos molhos de maionese. A gente pediu com tudo que tínhamos direito. Custou uns 20 reais cada. São servidos no prato, com garfo e faca, assim como o lanche que é tradicionalmente servido no sul do Brasil, principalmente em Porto Alegre.

    Chiviteria Marcos, onde a gente comeu o chivito com cerveja uruguaia, em Montevidéu.

    A minha irmã tinha falado que só tinha carne no Uruguai. Em todas as refeições, em todo lugar. Não é verdade. No primeiro restaurante em que comemos, em Montevidéu, comi o prato do dia que era lasanha vegetariana com abobrinha e berinjela. Assim como no Brasil, o Uruguai tem uma cozinha muito variada e opções para todos os gostos.

    Ficamos impressionados com a qualidade da comida vendida nos supermercados, aqueles pratos prontos que é só comer. São tão bem feitos que parecem de mentira. E são deliciosos, mais gostosos do que os que eu já provei no Brasil.

    Os doces de leite e alfajores uruguaios são famosos também. Estão em todos os gift shops.

    Los Nietitos, uma das marcas mais famosas de doces, principalmente o de leite.

  • Lojinhas de Punta del Este

    Acho que toda cidade de praia tem uma lojinha neste estilo: irresistível.

    Como toda cidade turística, Punta del Este tem suas lojinhas de lembranças da cidade, bares e restaurantes ao redor da praia e porto. No final da tarde, mesmo estando no verão, venta demais na praia, meio friozinho. As lojinhas são uma excelente opção.

  • Punta Del Este, no Uruguai

    Os famosos dedos na praia de Punta del Este, no Uruguai. Todo mundo tirando fotos.

    Do aeroporto de Montevidéu sai ônibus de hora em hora (pelo menos) das companhias COT e COPSA. As passagens custam em média 17 reais cada (ida) para Punta Del Este e leva mais ou menos 1 hora e meia para chegar. As duas companhias oferecem internet wireless gratuita a bordo.

    A rodoviária de Punta Del Este fica bem pertinho da praia e do centro, onde estão os pontos turísticos da cidade. Punta Del Este é uma cidade pequena e dá para se ver tudo à pé. Mas vale a pena alugar um carro para conhecer as cidades ao redor, muito bonitas também, com várias atrações turísticas.

    Punta Del Este está na moda. Vive saindo nos sites e revistas de turismo ultimamente. Estava muito curiosa para conhecer esta cidade uruguaia. As praias são bonitas, mas a água é gelada. A areia é fina e clara. Os restaurantes e bares são muito bons e as ruas são cheias de lojinhas.

Todas as Viagens

Comentários

  • João Pedro Benacchio: Pessoal não fui eu quem escreveu esse...
  • Gustavo Woltmann: Lindas imagens da cidade. Fui para Balneário...
  • denise: anonimo já diz covarde , ignorante e preconceituoso, vc...
  • Ken: Caracas…. quanto japa!! Fora vcs dois, o resto era tudo...